BUSINESS | 5 MINUTOS

A tecnologia assusta?

Escrito por David Mota
Customer Success Manager @ OLX
Linkedin

Mulher com sono no escritorio

Na última década assistimos a uma evolução tecnológica mundial muito rápida e diferentes setores da sociedade. A inteligência artificial faz parte do nosso léxico e a internet das coisas assumiu o papel de liderança em muitas áreas como saúde, energia, tecnologia. A sociedade não estava preparada para este avanço repentino da tecnologia e para a chegada dos robôs. Hoje lidamos com a tecnologia e com a inteligência artificial e nem nos apercebemos pois achamos que a experiência é tão agradável que não refletimos no nosso dia a dia. Tornou-se inconsciente as nossas ações perante a tecnologia, pois compreendemos o quanto ela facilita a vida. Os telefones móveis deram lugar aos telemóveis que por sua vez perderam espaço para os smartphones. Nós permitimos que o avanço da tecnologia fosse possível porque assim o exigimos.

A sociedade não estava preparada para este avanço repentino da tecnologia e para a chegada dos robôs.

Mas qual é o impacto de tudo isto nas nossas sociedades? Estaremos a contribuir para a destruição de algo que não nos apercebemos? O facilitismo e a comodidade que queremos e ambicionamos ter, prevalecerá nas agendas da tecnologia mas que consequências nos trará a longo prazo?

Na minha visão existem três pontos que devem ser tidos em conta nesta reflexão:

1. Empregos – sem dúvida que a tecnologia veio trazer a criação e desenvolvimento de novos empregos mas também ajudou (e ajuda) no fim de outros tantos, principalmente aqueles trabalhos mais repetitivos cuja a necessidade de ter alguém era importante para execução da tarefa. É uma verdade dura e crua mas creio que é importante ter em conta que esta eliminação de funções com tarefas repetitivas deve ser considerada pelos governos que necessitam contribuir na criação de alternativas para as pessoas que são afetadas. Não basta pedir evolução. É preciso também existir compensação dessa evolução.
2. Qualidade de vida – quão fácil está a sua vida hoje? Quão rápido se tornou a realização dos seus desejos/impulsos? Podemos então afirmar que a tecnologia nos trouxe uma melhor qualidade de vida que nos facilita e simplifica o dia a dia. A complexidade de comprar algo cuja a deslocação física era necessária, deixou de o ser com a entrada do e-commerce e das Apps, por exemplo. Ou se quisermos ir mais longe, a capacidade que um empresário tem de controlar a sua exploração agrícola através do seu escritório com recursos a internet das coisas era algo impensável até ha uns 5 anos atrás. E hoje é uma realidade.
3. Socialização – com o avanço da tecnologia e com o facilitismo de nos escondermos atrás de um ecrã, tornou-nos mais anti-sociais. As pessoas deixaram de se comunicar e aos poucos vão perdendo algumas faculdades de relacionamento social. É comum ver pessoas um pouco mais embrutecidas na forma como se relacionam com os outros ou muito mais tímidas na forma como interagem socialmente. Esta será uma tendência cada vez maior e é importante a sociedade ganhar um papel mais importante no avanço deste tipo de comportamentos. O exemplo mais usado é olhar para uma família, casal ou grupo de amigos num mesa de restaurante e numa hora quanto tempo falam entre si VS o tempo que estão agarrados ao telemóvel? É uma realidade triste mas cada vez mais presente e que precisamos inverter rapidamente antes que seja tarde.

Portanto é natural que a tecnologia nos assuste quando nos deparamos com tanta mudança. Mas se pensarmos bem, não é tecnologia que nos deveria assustar mas sim duas coisas: a mudança) pois o que se passa ao dia de hoje é muitas mudanças de hábitos, de rotinas etc que realmente assusta a quem não está habituado, e o comportamento humano) pois a forma como temos gerido todas estas mudanças trouxeram-nos comportamentos e hábitos que não estávamos habituados e que estavam reprimidos há muito tempo em nós. Foi como o libertar de algo que estava escondido: o individualismo. Se pensarmos bem, de forma fria, tornamo-nos mais individualistas e egoístas e isso afasta-nos de um dos princípios básicos da humanidade: a socialização. Por outro lado, com a entrada da tecnologia perdemos a nossa autonomia e gestão das nossas vidas. Na realidade a tecnologia condiciona as nossas decisões, as nossas escolhas. Somos influenciados e perdemos o poder de escolha.

Mas se pensarmos bem o que tecnologia nos traz de positivo à vida, acaba por ser bem maior que negativo.

Mas se pensarmos bem o que tecnologia nos traz de positivo à vida, acaba por ser bem maior que negativo. Se analisarmos friamente às profissões cuja as tarefas era repetitivas, quão desumano é ter alguém a fazer esse trabalho 8,9 horas do seu dia? Poderia essa pessoa investir esse tempo a formar-se e estsr mais perto da família? E o tempo que se perdia nas compras com deslocações e filas para pagamento? Este são alguns exemplos que trago para que se entenda que o medo que existe da entrada da tecnologia nas nossas vidas acaba mais por estar relacionado com os nossos comportamentos do que propriamente com a tecnologia em si.

Considero importante também que o papel das empresas e dos agentes envolvidos neste processo deva ser o de educação e desmistificação sobre este tema para que se torne menos impactante negativamente a continuação da tecnologia nas nossas vidas.

Acompanhe todas as novidades na área de Customer Experience. Subscreva já o CX Blog!

By | 2020-03-05T01:11:15+00:00 5 Fevereiro, 2020|